segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Aprovada Lei que prevê a criação de Escola Hospitalar em Santos


Aprovada Lei que prevê a criação de Escola Hospitalar em Santos

17/10/2012
Alunos com doenças crônicas terão acompanhamento desde a alfabetização à preparação para o ENEM

GRAACC - Combatendo e vencendo o câncer infantil

2011 1










"Classe Hospitalar". O termo, amparado pela Resolução CNE/CEB no. 2 (11/09/11), garante os direitos para que alunos/pacientes, em tratamento de doenças crônicas, mantenham a escolarização durante o período de internação hospitalar, atendimento ambulatorial ou permanência prolongada em domicílio. Para crianças e adolescentes, bem como suas famílias, a continuação da rotina de estudos reforça a vontade de viver.
Após conhecer o Programa "Escola Móvel", do GRAACC, da Escola Paulista de Medicina, o atual presidente da Câmara Municipal de Santos, Manoel Constantino, apresentou em agosto, o Projeto de Lei que visa a criação, em Santos, da "Escola Hospitalar".  

Hoje, 17 de outubro, com publicação no Diário Oficial,  a Escola Hospitalar torna-se Lei (no. 2.865/2012), com aprovação da Câmara Municipal e  sanção do prefeito João Tavares Papa.
A Lei vai permitir que professores concursados e com treinamento específico acompanhem o aluno/paciente em todas as disciplinas de Educação Infantil, incluindo o processo de Alfabetização, estudos para o ENEM, bem como outras provas que os alunos pretendam realizar, por exemplo, concursos públicos, até o ingresso na Faculdade.
"O objetivo da Escola Hospitalar engloba não apenas o direito do aluno estudar. A escola e o professor são essenciais na vida de todos e não podem se afastar  no momento em que uma criança ou jovem mais precisam. A continuação do estudo vai dar coragem para o aluno/paciente e seus pais diante de uma doença grave ou crônica", enfatiza Constantino.
Segundo dados do GRAACC, o Programa "Escola Móvel" mudou o comportamento das famílias e dos próprios alunos/pacientes, os quais, pelo impacto da doença, se afastavam da escola por acharem que o tratamento médico era mais importante.
Até 2000, 49% das crianças e adolescentes desistiam do ano escolar. Hoje, apenas 7% não continuam os estudos.
Constantino reconhece os desafios da "Escola Hospitalar": "a escola tradicional não tem condições e preparo para entender o tempo destes pacientes. Tudo muda. Treinar os professores para adequar o currículo escolar à nova condição física e psicológica do aluno é parte essencial deste Projeto, que prevê contar com parceria das secretarias de Ensino e Saúde de Santos ".
O professor-hospitalar, diferente da escola regular, não conta, em seu cotidiano, somente com aulas pré-planejadas, raramente elas alcançam as necessidades dos alunos em tratamento médico, justamente por tratarem-se de doenças que afetam muito o emocional de pacientes e familiares, como os diversos tipos de cânceres; doenças e tratamentos renais e hematológicos, doenças cardiovasculares; hepatite autoimune e outras não resolvidas em tempo curto.
Apesar de não constarem como emergências médicas, estas patologias são extremamente sérias, com sintomas contínuos e incômodos, levando à perda da qualidade de vida e até a morte. "Como o foco é manter o aluno motivado, as aulas podem ser dadas em qualquer espaço disponível dentro de um hospital, ou seja, não há necessidade de grandes transformações nestes locais para continuar a aprendizagem, a não ser boa vontade. Basta ver o trabalho da Oncologia Pediátrica da Santa Casa de Santos e o trabalho do GRAACC para entender a dimensão desta Lei". destaca Constantino.

escola movel Petrobras

domingo, 21 de outubro de 2012

Prof. Marcelo Clemente, ministra aula de Pedagogia Hospitalar no Curso da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP

Dia 20/10/2012, o Prof. Marcelo Clemente ministrou uma aula sobre a atuação do Pedagogo em ambiente hospitalar, no curso de extensão em Pedagogia Hospitalar da Pontifícia Universidade Católica - PUC/SP. Na ocasião, o Prof. Marcelo abordou em sua palestra, os objetivos da Pedagogia Hospitalar, um breve retrato atual da atividade na cidade de São Paulo e em outros estados, além dos aspectos éticos e práticos da atividade do pedagogo em ambiente hospitalar.
 Confira abaixo fotos da turma.









quinta-feira, 11 de outubro de 2012

XXIV Semana de Estudos da Pedagogia: "Pedagogia e Seus Múltiplos Horizontes", promovido pela UNESP (Rio Claro).

XXIV Semana de Estudos da Pedagogia: "Pedagogia e Seus Múltiplos Horizontes", promovido pela UNESP (Rio Claro).

O Departamento de Educação da universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Rio Claro - UNESP; promoveu a XXIV Semana de Estudos da Pedagogia, com o tema: "Pedagogia e Seus Múltiplos Horizontes". No dia 18/10, o Prof. marcelo Clemente, ministrou a palestra - O Pedadogo e sua atuação em ambiente Hospitalar. O anfiteatro do Departamento de Biociências, estava repleto de alunos, pesquisadores e interessados no tema da Pedagogia Hospitalar.

O Pedagogo e e sua atuação em ambiente hospitalar.

Preletor: Prof. Ms. Marcelo Clemente









A XXIV Semana de Estudos da Pedagogia, da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Rio Claro abordará as diversas possibilidades de atuação do pedagogo. A escolha deste tema decorreu da realidade do referido curso, uma vez que este é voltado para a pedagogia escolar. Diante das diversas alternativas do profissional, como: Pedagogia social, empresarial, hospitalar, a Semana de Estudos vem para mostrar quais as possíveis áreas em que a pedagogia se aplica. Historicamente a formação do pedagogo está contida às instituições de ensino; a nova realidade do mercado ampliou seus horizontes, o qual pode assumir um papel importante em diversas áreas, uma vez que este sabe lidar com os processos de ensino/aprendizagem, de forma que onde houver este processo, o pedagogo será fundamental. Tem como objetivo auxiliar não só aqueles que buscam caminhos distintos aos escolares para profissionalização, como também de informar novas possibilidades pouco conhecidas da área. A Semana será composta por mesas redondas e palestras com profissionais de diferentes instituições, pesquisadores do tema e oficinas que demonstrem, de forma prática, as diversas atuações. Também teremos apresentações de trabalhos acadêmicos e a realização de um sarau cultural. O evento acontecerá na segunda semana de outubro, entre os dias 15 e 20, sendo destinado aos alunos do curso de pedagogia e demais licenciaturas, alunos da pós-graduação, professores, enfim, a todos que tenham interesse pela temática.





PROGRAMAÇÃO
SEGUNDA-FEIRA (15/10)
18h30: Credenciamento
19h30: Atividade Cultural
20h00: ABERTURA
21h00Café

21h20: Palestra: "Práticas pedagógicas fora do contexto escolar” (foco em Pedagogia Clínica).
Palestrante: Psicopedagoga Marta Fontes Borghi

TERÇA-FEIRA (16/10)
16h/18h: Oficina: Ecobrinquedoteca Espaço Brincar (inscrição separada do restante do evento).
19h: Atividade Cultural
Mesa Redonda: Projetos Sociais e Culturais. Participantes: Bruna, Fabiano e Binho.
21h/21h20: Café
21h20: Oficinas:
v Hip Hop;
v Organização Social Arte e Vida (Beatriz e Gabriela);

v Produção e Edição de Vídeos (Henrique Tozzi);
v Movimento Bandeirante:  uma forma diferentes de educar (Caroline Florindo);
v Musicalização Infantil (Joseano Moncaio);
v Apresentações utilizando a ferramenta Prezi (Larissa Benites e Marina Cyrino).
QUARTA-FEIRA (17/10)
19h/20h30: Mesa Redonda: A Prática Educativa em Penitenciárias. Participantes:Márcio e Valter.
20h30/20h45: Café
20h45/21h15: Apresentação das pesquisas em pôster no Espaço de Vivências.
21h20: Apresentação dos trabalhos acadêmicos na forma oral.
QUINTA-FEIRA (18/10)
19h: Palestra: “Pedagogia Hospitalar”. Palestrante: Prof. Me. Marcelo Clemente;
Experiência: “A experiência na ONG Hospitalhaços” – Gabriela.
21h/21h20: Café
21h20: Oficinas:
v  Hospitalhaços (Gabriela);
v  Produção e Edição de Vídeos (Henrique Tozzi);
v  Origami – arte com papel (Djian);
v  Movimento Bandeirante:  uma forma diferentes de educar (Caroline Florindo);
v  Contação de Histórias para Educação Infantil;
v  Teatro do Oprimido
SEXTA-FEIRA (19/10)
16h/18h: “Origamis” (Raquel) (inscrição separada do restante do evento).
19h/21h: Palestra: “Pedagogia no Hospital Boldrini” – Palestrantes: Luciana A. R. Silva de Mello: Coordenadora Pedagógica Hospitalar e Amanda B. B. Terzariol: Orientadora Educacional Hospitalar.
Experiência: “Experiência de estágio em Brinquedoeteca hospitalar”: Letícia Matos
21h/21h20: Café
21h20: Sarau Cultural
SÁBADO (20/10)
9h: Café da manhã
9h20: Palestra “Pedagogia em ambientes não escolares” (foco em Pedagogia Empresarial) (Profa. Marcela)
10h00: Oficinas: Arte teatral; confecção de carteiras com sucata.
11h00: Bate Papo sobre “Pedagogia Empresarial”

Informações e inscrições: http://www.inscricoes.fmb.unesp.br/principal.asp

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Oficina de Contação de histórias - Instituto Paulista de Educação e Saúde


Oficina de Contação de histórias - Instituto Paulista de Educação e Saúde
A Arte de Contar, ler e ouvir histórias.
Dia 10 de novembro - das 13h às 17h.

LOCAL: Clínica Psicológica (200 metros da estação Vila Mariana do metrô)

Investimento: $ 100,00 - Com Certificado
Contar histórias é a mais antiga e, paradoxalmente, a mais moderna forma de comunicação. No passado, era o contador de histórias o depositário da experiência, conhecimento e sabedoria. Em tempos passados, o rito familiar possibilitava o clima intimista na relação entre as gerações nas sessões de contação de histórias. A figura do avô ou da avó era símbolo do faz-de-conta, agente de introspecção imaginativa das crianças e jovens. Via de regra, brincadeiras entre crianças reproduziam e ampliavam as simbologias dos momentos mágicos extraídos dos livros.

Por meio de dinâmicas e vivências, esta oficina procura despertar os contadores de histórias que existem em cada um, estimulando com técnicas elaboradas, a faceta sensível e poética inerente ao ser humano, aprimorar sua capacidade expressiva e criativa, valorizar a relação com o livro como fonte de inspiração na busca de disseminar, pela prática, o direito de formar não somente leitores, mas antes de tudo, cidadãos sensíveis, mais humanizados.

OBJETIVOS
A OFICINA é uma proposta interdisciplinar que tem por objetivos:
• Sensibilizar o talento criativo do participante para ouvir e intuir histórias
• Integrar o conhecimento e a sabedoria milenares das histórias ao nosso cotidiano
• Familiarizar o participante com as técnicas e as artes de ouvir e contar e ler histórias.
• Estimular os participantes a contarem histórias em seu dia-a-dia.

ESTRATÉGIAS
A metodologia desta oficina contempla:
• Exercícios interativos, de sensibilização e observação de si mesmo e do outro
• Exercícios de ler, ouvir e contar histórias
• Momentos de embasamento teórico-prático por meio de leituras dirigidas e aula dialogada

PÚBLICO-ALVO
Todos que queiram conhecer vivenciar e trocar idéias sobre a arte de ler, ouvir e contar histórias.
*Pede-se que o participante tenha mais de 15 anos.

PRELETOR
Marcelo Clemente - Mestre em Educação e Saúde pela UNIFESP, Pedagogo, Psicopedagogo e Professor de cursos de especialização em Pedagogia Hospitalar.

QUANDO?
Dia 10 de novembro - das 13h às 17h.

VALOR: 100,00

LOCAL: 
Clínica Psicológica - (200 metros da estação Vila Mariana do metrô)

INFORMAÇÕES:
marcelorhema@gmail.com

VAGAS LIMITADAS